intervenções artísticas

A cada encontro com crianças, adolescentes e idosos, a dupla de artistas transpõe para a arte da palhaçaria a habilidade do olhar, da escuta e a mais nobre de suas qualidades: a capacidade de incorporar a realidade nela. Os palhaços e as palhaças do elenco realizam visitas duas vezes por semana, de forma contínua, e quando disparam na entrada de cada ala, quarto, corredor ou instituição, transformam o ambiente, subvertem as lógicas do espaço, levam um universo de ludicidade e possibilidades para que por alguns momentos um leito possa se transformar uma astronave; um corredor vire uma pista de corrida; os porta-soros que acompanham pacientes hospitalizados possam ser varinhas de superpoderes; ou mesmo a alta de um hospital se transforme numa grande fuga arquitetada. 

A relação única construída, dia após dia, conquista após conquista, tropicão após tropicão, ocorre porque há uma continuidade que fortalece os vínculos e traz resultados efetivos na redução do impacto, seja da internação em hospitais ou do acolhimento institucional. O Programa de Intervenção Artística de Palhaços Profissionais é a ação chave do Instituto e é realizado por cerca de 10 artistas que, em duplas ou trios, seguem a rotina de visitas a alas pediátricas e geriátricas de hospitais da Rede SUS, Unidades de Acolhimento Institucional (UAI’s), e Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) de Minas Gerais.

Bloco Hahaha

A cultura do carnaval, a festa e a folia é levada pelos palhaços e palhaças para pessoas que estão hospitalizadas ou acolhidas em instituições por meio do Bloco Hahaha. Durante o trajeto, da porta de entrada a da saída, o Bloco reúne pacientes, acompanhantes e profissionais por onde passa. Cada batida e instrumento, anuncia a chegada da festa e provoca uma manifestação incontrolável nos corpos, que se movimentam de diferentes formas. O volume, ritmo, e repertório é ajustado a cada ambiente e encontro para alcançar a todos, de forma agradável. 

HARRAIÁ DO HAHAHA

É mentira? Não, é verdade! Durante o São João, a presença das bandeirinhas, apresentações culturais e comidas típicas está presente em toda cidade. Hospitais e instituições não ficam de fora. No Harraiá, a sanfona não pára. É enfermeira, médica, mãe, pai, criança, adulto, idoso, pulando a fogueira, iô iô. 

AUTO DE NATAL

Sem nenhum intuito religioso e sem seguir a história ao pé da letra, o cortejo de natal  é  um presépio composto de palhaços que reúne a história e a tradição da celebração natalina e ocupa hospitais e instituições. Durante o percurso, cenas são apresentadas com muita presepada, poesia e compostura.